Obras na EMEF Samuel Dietschi devem ser retomadas na próxima semana

por Luís Francisco Caselani última modificação 13/05/2019 19h08
13/05/2019 – Em reunião com a Comissão de Obras, Serviços Públicos e Mobilidade Urbana (Coosp) na tarde desta segunda-feira, 13 de maio, o secretário municipal de Obras Públicas, Raizer Ferreira, e o diretor da pasta Paulo Schmidt anunciaram que os trabalhos de ampliação da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Samuel Dietschi, do bairro São Jorge, devem ser retomados a partir da próxima semana. As intervenções estavam paralisadas desde o abandono da empresa licitada em fevereiro, o que motivou o envolvimento dos parlamentares após denúncia de pais de alunos. O contrato com a nova construtora, que deve finalizar os serviços, foi homologado no último dia 10.
Obras na EMEF Samuel Dietschi devem ser retomadas na próxima semana

Fotos: Kassiane Michel/CMNH

Licitada por meio da Tomada de Preços nº 10/2017, a obra incluía a construção de um novo prédio de dois andares com quatro salas de aula e dois banheiros, em uma área total de 250 metros quadrados, além da reforma elétrica e de dados da escola. Conforme a secretaria, a empresa vencedora do certame, Lumi Construtora Eireli, executou cerca de 59% do serviço contratado até abandonar os trabalhos em fevereiro. Em contatos com a empreiteira, a Prefeitura ainda tentou a retomada das obras, mas não obteve êxito, o que levou ao rompimento do Contrato nº 11/2018 firmado no valor de R$ 456.944,34 no final de abril. “Uma rescisão de contrato é sempre o último cartucho. Tentamos viabilizar de tudo quanto foi forma”, explicou Schmidt.

Leia também: Comissão busca celeridade na retomada das obras na EMEF Samuel Dietschi

Conforme o engenheiro, o poder público precisa seguir um rito legal para a contratação e, havendo toda a documentação necessária, qualquer empresa pode se habilitar e fazer o lance vencedor. “É sempre uma aposta. As empresas que prestam serviço são sempre uma incógnita”, afirmou. Quem assumirá o restante da obra é a empreiteira Âncora Construtora e Equipamentos Eireli, segunda colocada no processo licitatório. O novo contrato foi fixado no valor total de R$ 188.964,31, montante correspondente ao percentual ainda a ser executado. A empresa terá prazo de sete meses para entregar a obra. “Seria obra para três ou quatro meses, mas dependemos da liberação da escola para a parte elétrica. Não se pode trabalhar com as crianças em aula”, destacou Schmidt.

O secretário Raizer Ferreira lembrou que não é possível garantir que a nova empresa realize o serviço até o fim. “Pode dar tudo certo ou pode ocorrer como da primeira vez. Saber se vai dar conta de fazer ou não é uma surpresa”, ponderou. O relator da Coosp, Fernando Lourenço (SD), lembrou que a construtora já realizou outros serviços para o Município. A presidente da comissão, Patricia Beck (PPS), questionou a razão da demora entre o abandono da obra e a rescisão do contrato. “Esse período serviu para tentarmos continuar o contrato com a empresa. Eles sinalizaram com a continuidade. Confiamos na palavra, mas ela não foi cumprida. De alguns anos para cá, até acho que tem muito a ver com a crise econômica, os preços são exequíveis pela lei, mas não na prática. Orçamos com bastante critério, e a margem de lucro fica entre 6 ou 7%. Mas alguns valores chegam a ser 15% menores, o que indica que algum fornecedor não receberá sua parte”, detalhou.

Presente à reunião, o vice-presidente da Associação de Pais e Mestres da escola, Vitor Kuntz, perguntou se há previsão de entrega do novo prédio. Schmidt respondeu que essa será a prioridade, mas que só será possível estimar a data de sua conclusão após visita in loco da empresa, o que deve ocorrer ainda esta semana. Patricia colocou a Coosp à disposição da Secretaria de Obras para intermediar eventuais diálogos com empresas contratadas pelo Município.

Contratação emergencial

Após a reunião com o Executivo, Patricia Beck, Fernando Lourenço e o secretário Vladi Lourenço (PP) ainda analisaram dois projetos de lei, concedendo parecer favorável para ambos. O PL nº 16/2019, elaborado pela vereadora Tita (PP), dá o nome de Bemvina N. da Silva a uma praça no loteamento Residencial São José, no bairro Diehl, na esquina das ruas Monteiro Lobato e Renato José Blauth. Com a aquiescência também da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (Cojur), o texto já está apto para análise em plenário.

Mesma situação ocorre com o PL nº 21/2019, protocolado pelo Executivo, que autoriza a contratação emergencial de professores de educação infantil e ensino fundamental para suprir vacâncias decorrentes de licenças. Os profissionais serão recrutados mediante seleção pública simplificada, constante de credenciamento e títulos, para até 155 vagas, com salários que variam de R$ 1.972,55 a R$ 3.945,07. Além dos pareceres favoráveis da Coosp e da Cojur, o texto também passou pelas Comissões de Educação e de Finanças ainda durante a tarde desta segunda-feira.

O que são as comissões?

A Câmara conta com oito comissões permanentes, cada uma composta por três vereadores. Essas comissões analisam as proposições que tramitam pelo Legislativo. Também promovem estudos, pesquisas e investigações sobre temas de interesse público. A Lei Orgânica Municipal assegura aos representantes de entidades da sociedade civil o direito de participar das reuniões das comissões da Casa, podendo questionar seus integrantes. As comissões se reúnem semanalmente na sala Sandra Hack, no quarto andar do Palácio 5 de Abril.