Criação da Academia da Juventude é rejeitada em votação final

por Tatiane Souza última modificação 02/06/2021 17h40
02/06/2021 – A Câmara de Novo Hamburgo voltou a rejeitar nesta quarta-feira, 2, projeto de lei que instituía o programa Academia da Juventude. A iniciativa, elaborada por Gustavo Finck (PP), propunha a realização de atividades físicas direcionadas a crianças e adolescentes, bem como ações de conscientização sobre a importância da prática regular de exercícios. O texto recebeu 9 votos contrários. Além do autor, apenas os vereadores Felipe Kuhn Braun (PP) e Lourdes Valim (Republicanos) foram favoráveis à matéria. Fernando Lourenço estava ausente por motivo de saúde.
Criação da Academia da Juventude é rejeitada em votação final

Foto: Danele Souza/CMNH

O Projeto de Lei nº 8/2021 determinava que as atividades fossem promovidas nas praças onde estão instaladas as academias ao ar livre. Os objetivos finais da proposta incluíam o combate à obesidade infantil e a prevenção de doenças físicas e psíquicas atreladas ao sedentarismo. Com a rejeição em segundo turno, o PL será arquivado.

Debate dos vereadores 

A proposta gerou debate acalorado entre os parlamentares. Autor da matéria, Finck disse que se trata de um projeto completivo ao da academia do idoso. E que não iria retirá-lo, mesmo tendo sido rejeitado em primeira votação. “Eu sou de oposição porque vocês criaram isso. Qual a dificuldade em aprovar iniciativas como essa e da bolsa atleta? Muitos vereadores aqui levantam a bandeira do esporte, mas agora vão dizer não novamente ao projeto”, argumentou, pedindo votação nominal.

Ricardo Ritter – Ica (PSDB) disse que entende a emoção do Finck. “Temos trilhado um caminho diferente. Eu faço uma caminhada junto ao Executivo, que está com bons projetos para o Município na área esportiva. Peço a derrubada da proposta e também votação nominal”. 

Eu me dou tri bem com o Finck, mas quero reforçar que só na escolinha do Olaria trabalhei 25 anos. Fui atuante e presidente de vários clubes de várzea de Novo Hamburgo. Mas, pela forma como ele se expressou, eu vou votar pelo meu coração. Até parece que estamos aqui para ser contra o esporte”, disse o vereador Ito Luciano (PTB) ao indagar o que o colega progressista já tinha feito pelo esporte da cidade. “Temos de criar mecanismo para ajudar a comunidade. Mas fazer um projeto que não vai funcionar, não adianta. Tua ideia é boa, mas temos de ver as condições financeiras do Executivo. Criar despesas e o projeto ficar a ver navios? Temos de aceitar a posição de cada parlamentar desta casa”, finalizou o vereador. 

Neste sentido, Finck respondeu que Ito sempre foi um incentivador do esporte e que, inclusive, atuou no Olaria enquanto ele presidia o clube. Antes de pensar em ser vereador, eu trazia recursos para o Município. Desde 2016 não temos investimentos no esporte”, comentou. 

Darlan Oliveira (PDT) afirmou que o Plenário é soberano e cada um faz a sua trajetória dentro da Casa da forma que acredite ser melhor. “Eu tenho um alinhamento com o Executivo e é neste projeto que eu acredito no momento. Se quiserem que eu apoie um projeto, o vereador pode vir ao meu gabinete e me apresentar a ideia”, alertou.

Sergio Hanich (MDB) destacou que o projeto é excelente, mas que a secretaria de Obras está com grande dificuldade. “Não temos verba para fazer uma tampa. Temos de ter paciência e também pedir isso à comunidade. Voto contra o projeto por essa condição”, falou. Serjão sugeriu que Finck faça um projeto de sugestão ao Executivo. 

Raizer Ferreira (PSDB), que já dirigiu a pasta de Obras, apontou que mesmo não tendo orçamento, fizeram uma força muito grande em conjunto com a Secretaria de Educação, para conseguir o valor de contrapartida para a realização das obras do Ginásio da Fenac. Por meio de emenda federal, a verba para as obras foi pleiteada por Gustavo Finck junto ao então deputado João Derly. “O Executivo tem dificuldade para conseguir os valores das contrapartidas das emendas federais, mas há o interesse em valorizar as emendas parlamentes e o comprometimento com a Administração Municipal”, disse. O presidente do Legislativo informou que em conversa com o atual secretário de Esportes, ele disse que a pasta precisava de apoio. Raizer ressaltou, no entanto, que as próximas destinações do Legislativo serão para a Secretaria de Obras. “Nós temos 160 praças públicas, mas quase 100 sem condições. O Executivo tem trabalhado para entregar espaços públicos onde as pessoas possam se exercitar e sejam de bem comum”, afirmou.

Finck disse que entende o esforço do Executivo e a necessidade de não criar despesas no momento. Mas informou que trata-se de um programa que pode ser posto em prática quando puder. “Estamos aqui para ajudar a comunidade”. 

Vladi Lourenço (PSDB) ponderou que nunca viu o vereador Finck em alguns campos de várzea da cidade e parabenizou o Executivo pelos projetos desenvolvidos na área esportiva. 

Ica concluiu reconhecendo a atuação do autor do projeto no ramo do esporte. “Já fui diretor e secretário de Esporte. Também tenho essa bandeira, mas acredito na caminhada junto ao Executivo. Não temos recursos. Vamos trabalhar juntos”. 

Neste sentido, Gustavo Finck finalizou dizendo que, no passado, Novo Hamburgo teve muitas iniciativas no esporte. E que está disposto a construir os projetos apresentados na sessão desta quarta-feira junto ao Executivo.

Durante a primeira votação, realizada em 12 de maio, o líder de governo, Ricardo Ritter (PSDB), argumentou que o projeto geraria despesas não previstas à Administração Pública, o que extrapolaria as atribuições do Poder Legislativo. Na ocasião, o parlamentar orientou o posicionamento contrário à matéria. Na tentativa de alterar o resultado no segundo turno, Finck chegou a pedir vista de seu projeto, adiando por 15 dias a votação final. No entanto, o projeto foi novamente rejeitado.

registrado em: