Transformação Digital dos Negócios e das Pessoas pauta terceira live do Seminário de Desenvolvimento Econômico

por Maíra Kiefer última modificação 20/08/2021 00h39
19/08/2021 – O tema "A Transformação Digital dos Negócios e das Pessoas foi o assunto que norteou a terceira noite de lives do Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo. Transmitida pela TV Câmara, canal 16 da Claro/Net, e pelo YouTube da emissora, nesta terça-feira, dia 17, ela trouxe Robinson Oscar Klein como palestrante. Klein é vice-presidente de Inovação e Tecnologia da ACI-NH/CB/EV, diretor do Eixo Inovação no Avança Novo Hamburgo e presidente da Cigam Software Corporativo S/A. Durante todo o bate-papo, ele frisou que são as pessoas que fazem a transformação digital acontecer e exemplificou como o Município e a região podem crescer a partir disso. A conversa foi mediada por Sérgio Souza Dias, mestre em Engenharia e Energias Renováveis e professor da Fundação Liberato.

O palestrante destacou que as transformações causam medo na comunidade, empresários e governantes. Segundo ele, isso se dá porque esses agentes não conseguem compreender o que ela é, como ela acontece, o que muda e o que não muda e quais as barreiras que podem encontrar no caminho. Diante disso, Klein explica que a transformação digital é uma mudança no modelo de negócios que já está acontecendo, por isso é importante entender como cada um é afetado e como cada parte do ecossistema das organizações está envolvida nesta jornada. Segundo ele, para que a transformação digital inicie é necessária uma mudança de visão das lideranças, além da construção de uma estratégia empresarial para, então, com o incentivo à inovação e uso da tecnologia adequada, fazer a mudança.

Os cinco passos da Transformação Digital

O público que acompanhou a live pelo Youtube, dentre eles os vereadores Raizer Ferreira (PSDB), presidente do Legislativo hamburguense, e Enio Brizola (PT), um dos idealizadores do Seminário, pôde entender, detalhadamente, os cinco passos que Robinson Klein elenca como fundamentais para que o processo de Transformação Digital aconteça: digitalização, desmonetização, democratização, disrupção e desmaterialização.

Ele explica que a digitalização nada mais é do que transformar um trabalho analógico em digital. “As mudanças acontecem todos os dias de forma acelerada e novas tecnologias são disponibilizadas e aplicadas gerando ameaças, mas também grandes oportunidades. A forma como cada um vê estas mudanças depende da visão empreendedora e capacidade de assumir os riscos inerentes à inovação”, salientou.

Klein acrescentou que muitas tecnologias impactam a nossa rotina e que outras vão impactar. “O objetivo é tornar a vida do ser humano melhor, e as tecnologias vieram ajudar que isso aconteça. Elas melhoraram a educação, a medicina, o comércio, a logística”, exemplificou. E citou o caso da Kodac, empresa do ramo da fotografia que investia na venda de filmes e câmeras analógicas, e que, ao não aderir ao digital, acabou falindo. Ela deu início à fabricação da câmera digital e não liderou este mercado. “O mundo está em constante mudança e temos de acompanhá-las”, apontou.

Esse case se enquadra no conceito de desmonetização. "É a etapa mais difícil de vencer, é a decisão de seguir com a transformação que vai acabar com a forma atual da empresa ganhar dinheiro em prol de um futuro melhor. É nesta fase que muitas empresas desistem do processo e deixam grandes oportunidades passarem."

Ele contextualizou que o mundo vive a era da democratização da informação. Para entender melhor, o palestrante ressaltou que a democratização tem relação direta com a internet e a forma rápida, indiscriminada, fácil e barata com que o conhecimento está disponível. No passado era suficiente estudar para ter uma profissão, hoje é uma jornada contínua de atualização para se manter competitivo. “A informação está disponível para todo mundo. Como exemplo temos o google, ferramenta de busca na internet e que nos traz milhões de informações e sempre em ordem crescente. Cerca de 5,3 bilhões de buscas são realizadas por dia no mundo. A partir disso, a Google sabe o que nos interessa e, então, passamos a receber informações sobre isso”, explicou Klein.

A Disrupção é outro elemento chave. Ela significa a quebra ou a descontinuação de um processo. Klein citou Clayton Christensen para elucidar o assunto. “É quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso", e isto acontece, segundo ele, com as empresas que continuam fazendo o que sempre fizeram e não a sua transformação.

A Desmaterialização é a fase final da transformação, na qual o produto, o processo ou o negócio antigo deixa de ter relevância, e o novo modelo passa a dominar o mercado. Klein perguntou aos participantes da live: “Quem não queria um tocador de música, um DVD ou uma filmadora há alguns anos?”, questionou. E explicou que, nos últimos 10 anos, os smartphone e aplicativos desmaterializaram esses itens e ainda agregaram calculadoras, lanternas, agendas, mapas, guias, agências de viagem, agências bancárias, táxis, jornais, revistas, entre tantos outros que já foram ou estão sendo desmaterializados.

“Todo dia muitas indústrias estão desaparecendo porque outras estão aparecendo. O lampião desapareceu, as fotografias analógicas … Faz parte do ciclo, sempre foi assim e vai continuar sendo, só que cada vez mais rápido. E temos de estar preparados para essa explosão digital. A internet acelerou o modo de viver”, afirmou.

Klein relatou que inovar é ir além das novas tecnologias. É mudar o modelo de negócio, a forma de pensar, a cultura da organização. “Temos muitas tecnologias disponíveis e pouca gente utilizando. Temos de entender como usá-las em prol de desenvolver nossa região, deter os talentos, nos transformar em uma cidade que abraça e valoriza essa inteligência de negócio”, disse. Ele ainda deixou uma reflexão aos participantes: “Posso fazer parte da transformação? É um mercado só para os grandes? Quais as próximas transformações que devem acontecer? Quando ela termina? O meu negócio vai mudar de novo? Em cima dessas questões queria que vocês pensassem. As mudanças estão vindo e afetando nossas vidas. O computador quântico é uma nova tecnologia e que irá fazer em minutos o que os atuais levariam anos. É um novo patamar de processamento de dados, uso de inteligência artificial de forma muito mais rápida. E esse é apenas um dos exemplos que vão impactar em tudo na sociedade e no desenvolvimento do ser humano”, apontou.

Outros produtos inovadores citados pelo palestrante são as nova lentes de contato, que trarão sensores e câmeras e impressoras 3D muito mais avançadas, já com tecnologia para imprimir átomos. Klein citou também os EUA que utilizam cães robôs para fazer o patrulhamento.

Como as pessoas vão encarar todas essas mudanças?

Conforme Robson Klein, as pessoas reagem de formas diferentes ao processo de inovação. “Temos os visionários, os pragmáticos, os conservadores e os cético. Muitos apresentam resistência à mudança. Outros olham para a mesma questão e pensam: que baita oportunidade.” A pandemia do coronavírus fez, segundo ele, uma tecnologia que está aí disponível há mais de 50 anos ser melhor empregada. “Hoje estamos participando deste evento virtual, que será gravado e muito mais pessoas poderão assistir. Desenvolvemos a telemedicina, incorporamos uma mudança na cultura", disse.

E tudo passa, segundo o palestrante, pela cultura e pela educação. "Faço palestras sobre transformação digital há seis anos. Vamos usar muito as tecnologias. Escolas e empresas estão fazendo seus próprios softwares. Investem pesado nessa área. E os profissionais de TI são os mais bem remunerados no mercado atualmente, por isso temos de preparar nossos jovens para essas profissões do futuro. O mundo inteiro está demandando neste segmento. Eu não preciso mais sair de Novo Hamburgo para trabalhar em qualquer lugar do mundo. Posso estar trabalhando para os EUA, Europa e recebendo em Euro. Temos que criar um ambiente saudável para manter essas pessoas aqui. Um ecossistema de inovação”, falou.

Ele citou a Fundação Liberato e destacou o caráter fomentador de talentos que ela e outras instituições da região possuem. “Para conseguir fazer a movimentação, para que meu produto funcione bem, eu tenho que desenvolver a tecnologia e meu cliente usar. É um engajamento entre as partes. E ninguém inova sozinho. Precisamos nos unir academia, empresas e governo para fazer a transformação, de fato, acontecer”, finalizou.

Confira na íntegra como foi o terceiro painel do III do Seminário de Desenvolvimento Econômico:

 

Sobre o Seminário

O III Seminário de Desenvolvimento Econômico será composto por seis lives. Os encontros acontecerão de 10 de agosto a 2 de setembro, terças e quintas, sempre às 19h. As inscrições podem ser feitas no portal da Câmara de Novo Hamburgo - Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da Escola do Legislativo. Para receber certificado é necessária inscrição prévia, que só poderá ser realizada após cadastro no AVA. É possível participar enviando comentários e dúvidas aos debatedores por meio do chat na transmissão pelo Youtube. Confira aqui mais informações e a programação.


Saiba mais sobre as edições de 2018 e 2019 do Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo.

Leia mais:


- Especialistas destacam investimento na indústria e o fortalecimento do mercado interno como formas de superar a crise

- Seminário de Desenvolvimento Econômico debate inovação em tempos de pandemia 

- Seminário de Desenvolvimento Econômico deve se tornar evento anual em Novo Hamburgo

- Sustentabilidade no setor calçadista será tema de painel durante Seminário de Desenvolvimento Econômico

Participe do 3º Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo - evento 100% online e gratuito. Faça a sua inscrição. Ainda dá tempo de participar.

Confira aqui mais informações e a programação:


24/08 - 19h
Desenvolvimento Socioemocional, Diversidade, Inovação e Economia Criativa


Palestrantes: Juliana Aparecida Bohn – coordenadora do curso de especialização em Desenvolvimento Socioemocional no Contexto Educacional da Faculdade IENH; Mauro Sarmento – Consultor em Inovação

Mediador: Luis Alexandre Cerveira – coordenador do Núcleo de Estudos sobre Diversidade da Faculdade IENH.

31/08 - 19h
Desenvolvimento Econômico: presente e futuro


Palestrantes: Rose Pereira, servidora pública há 23 anos, formada em gestão pública, gerente de Inovação e Captação na Secretaria de Desenvolvimento Econômico; Susana Stroher - analista de Relacionamento com o Cliente no Sebrae RS - Desenvolvendo e coordenando ações de promoção da competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios.

Mediadora: Ana Rita Schenkel – diretora de Empreendedorismo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Novo Hamburgo

02/09 - 19h
Programa Origem Sustentável

Palestrantes: Haroldo Ferreira – presidente executivo da Abicalçados; Silvana Dilly – superintendente da Assintecal.

Mediador: Paulo Griebeler – presidente executivo do Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçado e Artefatos.

Saiba mais sobre as edições de 2018 e 2019 do Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo.