Seminário de Desenvolvimento Econômico: oficina trata dos efeitos da tecnologia na implantação de negócios

por Jaime Freitas última modificação 18/11/2019 11h48
13/11/2019 – Os impactos da tecnologia no comportamento da população mundial e as adaptações necessárias para implantá-la nas empresas foram os fios condutores da oficina ministrada por Daniele Gonçalves de Souza, mestre em Gestão e Negócios e professora do IFSul, durante a tarde desta quarta-feira, 13, no 2º Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo. No workshop “Tecnologias e inovações para o desenvolvimento de negócios”, realizado na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-NH), a palestrante apontou que, antes de serem adotadas, essas mudanças precisam ser analisadas com espírito crítico, especialmente porque novas alternativas vão se sobrepondo. “É preciso sempre buscar inovação e criar uma cultura para a mudança, para não haver ranço com as novidades”, declarou, lembrando as rejeições provocadas com o surgimento da televisão e dos telefones celulares.
Seminário de Desenvolvimento Econômico: oficina trata dos efeitos da tecnologia na implantação de negócios

Foto: Daniele Souza/CMNH

Daniele indicou os itens indispensáveis para os novos negócios: vendas online, presença digital, infraestrutura compartilhada, entre outros. “Não preciso ser especialista em todos os setores da minha empresa. Quem faz melhor venda, quem faz melhor gestão de tecnologia pode ser contratado”, afirmou. Ela trouxe ainda o exemplo de parcerias de grandes varejistas, que estão vendendo produtos que não fazem parte de seu estoque. Essas mercadorias são entregues por outras empresas. “Os market places são a mais nova tendência no comércio eletrônico e uma boa alternativa para quem pretende vender online, mas não quer arcar com os custos de desenvolver uma loja virtual”, informou, elencando Mercado Livre, OLX e, recentemente, Magazine Luiza.

A redução de custos, principal objetivo dos empresários, é um dos resultados mais evidentes para aqueles que optam por investir em tecnologia, conforme a professora. Ela elencou ainda uma série de outros itens que são positivamente impactados nas micro e pequenas empresas quando a inovação passa a ser adotada, tais como centralização e atualização de informações, identificação de riscos, automação de processos, redução do tempo de execução das tarefas, acesso a ferramentas e informações gerenciais 24 horas por dia a partir de qualquer dispositivo móvel, presença online para reforço da marca, atração, fidelização de clientes e aumento dos negócios.

De acordo com a palestrante, se a falta de recursos impossibilitar a introdução de novas tecnologias, o mínimo que a empresa deve fazer é investir em mídias sociais. “As pessoas passam muito mais tempo no celular do que conversando com outras pessoas. Desta forma, a empresa pelo menos estará um pouquinho mais perto do seu cliente”, concluiu. Além disso, trouxe exemplos de ferramentas e aplicativos gratuitos que podem ser utilizados para facilitar o dia a dia das empresas, otimizando resultados. Entre eles estão Google Spreadsheets, versão do Google para o Excel, que pode ser integrado com outros aplicativos, como Agenda e Google Docs; Trello, que possibilita o gerenciamento de projetos em andamento; Tableau, que permite a visualização de dados e gráficos; e Soho, sistema de Customer Relationship Management (CRM) voltado para pequenas companhias que facilita o gerenciamento de todo o relacionamento com o cliente.

Para Daniele, atualmente o que as empresas têm de mais precioso não é o produto, mas o banco de dados. Com o objetivo de preservá-los, a palestrante recomendou mecanismos de proteção dessas informações, incluindo armazenamento na nuvem e bons antivírus.

Ao término da oficina, o vereador Enio Brizola (PT), presidente da Comissão de Finanças (Cofin), reforçou que, mesmo em meio ao avanço tecnológico, o ser humano é imprescindível nesta quarta revolução industrial. A palestrante corroborou e destacou que a tecnologia é feita para que as pessoas a usem, e elas têm um tempo para se adaptar. Aliada, deverá andar em conjunto com a sociedade. 

No encerramento da atividade, Daniele Souza recebeu um certificado da servidora Maria Carolina Hagen, vinculada à Procuradoria Especial da Mulher e uma das responsáveis pela organização do evento. 

O seminário

O 2º Seminário de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo foi organizado no sentido de retomar e aprofundar o debate sobre novas alternativas de crescimento e a cidade que se almeja para os próximos anos. Pautado pela ideia da inovação e empreendedorismo rumo à nova economia, o evento, promovido pela Câmara, por meio da Comissão de Finanças (Cofin) e da Escola do Legislativo, contou mais uma vez com a participação de um leque de instituições parceiras.

Com mais de uma dezena de encontros preparatórios realizados, o grupo de organizadores é formado também pela Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI-NH/CB/EV), Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), Comitê de Governança Empreendedora de Novo Hamburgo (Avança Novo Hamburgo), Câmara de Dirigentes Lojistas de Novo Hamburgo (CDL-NH), Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Rio dos Sinos (Consinos), Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçado e Artefatos (IBTeC), Instituição Evangélica de Novo Hamburgo (IENH), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul), Prefeitura de Novo Hamburgo, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) e Universidade Feevale.