Rede Lilás se reúne para montar programação do Mês da Mulher

por Maíra Kiefer última modificação 22/02/2021 17h33
22/02/2021 – Em meio à pandemia, o confinamento agravou os problemas nos lares em que a violência psicológica e física já era uma realidade. Preocupada em munir as vítimas com informação e suporte para enfrentar essas questões, a Rede Integrada Laço Lilás começou a programar uma série de ações para marcar o Mês da Mulher. O primeiro encontro para abordar as atividades propostas para março foi realizado de modo virtual na manhã da sexta-feira, 19.

Participaram da elaboração da grade de atividades a servidora da Procuradoria da Mulher, Carolyne Andersson, responsável pela organização das reuniões virtuais; a representante do Conselho da Missão Luterana Primavera, Claudete Schneider; a coordenadora das Políticas Públicas para Mulheres de Novo Hamburgo, Eliana Benkenstein; a coordenadora do Creas Viva Mulher, Elis Regina Evaldt Barroso; a presidente da Comissão da Mulher da OAB/NH, Mara Eliane Peruffo da Silveira; a presidente da Comissão Especial dos Direitos da Criança e do Adolescente da OAB/NH, Michelly Zilá Schuman; a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Novo Hamburgo, Raquel Machado Peixoto; a responsável pela área de política de Saúde da Mulher, Roberta Franck; a diretora da Secretaria de Desenvolvimento Social, Roberta Soares Cornely; e a cerimonialista da Câmara Municipal, Greisi Vargas.

A princípio, estavam previstas atividades presenciais, como rodas de conversa na área de geração de emprego e renda, que terão de ser repensadas em função da nova classificação da região para bandeira preta, conforme o modelo de Distanciamento Controlado proposto pelo governo estadual. A primeira ação planejada pelo grupo é uma live da Rede Integrada Laço Lilás, com dia e horário ainda a ser confirmados, na qual serão apresentados os serviços oferecidos e a divulgação do calendário do Mês da Mulher. 

Na segunda quinzena, a delegada Raquel e seus agentes devem realizar live sobre defesa pessoal e dicas de segurança voltadas ao público feminino. A intenção é ensinar técnicas para as mulheres conseguirem se proteger de situações de violência e abusos. Ainda como parte das atividades ligadas à Polícia Civil, o início do funcionamento da Sala das Margaridas deve ocorrer no mês de março.

Promovida pelo Judiciário, está prevista também ao término do mês uma sessão de constelação, método de recuperação de vítimas e agressores adotado pela Justiça Restaurativa. Essa programação poderá ser de modo presencial, caso a bandeira seja alterada até o fim de março. Se não houver mudanças na classificação, será realizada de modo virtual.

Haverá ainda lançamento de campanha da Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres e ações preventivas nas unidades de saúde do Município, como exames médicos, pré-câncer, entre outros.

Por iniciativa do Legislativo Municipal, ocorrerá a apresentação de projeto de resolução que denomina Glacira Eli dos Santos a Sala da Procuradoria Especial da Mulher. Como uma das precursoras da luta pela igualdade de gênero, Glacira compôs a Rede Integrada Laço Lilás desde sua criação há quase quatro anos, primeiramente como presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim) e depois do Conselho Municipal do Idoso (CMDCI). Ela faleceu em 7 fevereiro de 2021 após lutar contra o câncer. O Parlamento também desenvolverá com o apoio de todo o grupo de voluntárias um site para reunir as entidades que fazem parte da Rede Integrada Laço Lilás, facilitando o acesso das vítimas aos serviços disponíveis no Município. 

 Laço Lilás

Criada em 2017, a Rede Integrada Laço Lilás reúne entidades voltadas para o atendimento a vítimas de violência de gênero. O grupo tem como meta fazer Novo Hamburgo recuar na lista de líderes de ocorrências no estado. Com encontros promovidos na sede do Legislativo e organizados pela Procuradoria Especial da Mulher, a rede é composta pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, Brigada Militar, Patrulha Maria da Penha, Centro de Referência e Atendimento Creas/Viva Mulher, Núcleo de Apoio aos Direitos da Mulher (Nadim) e Laços de Vida, ambos da Feevale, Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres (CMulher), Conselhos Municipais dos Direitos da Mulher (Comdim) e dos Direitos e Cidadania do Idoso (CMDCI), Comissões da Mulher e da Criança e Adolescente da OAB/NH, Conselho Tutelar, Guarda Municipal e coletivos.