Empresários do ramo de casas de festas e eventos pedem apoio do Legislativo

por Maíra Kiefer última modificação 28/07/2020 16h56
28/07/2020 – A iminência de ver o trabalho de uma vida se somar às estatísticas de empresas que foram à falência por causa da pandemia de Covid-19 impulsionou empresários hamburguenses a se juntarem em busca de auxílio do poder público. Representantes da União das Casas de Festas e Eventos (UCFE) conversaram nesta segunda-feira, dia 27, com o presidente da Câmara, Gerson Peteffi (MDB), e com o vereador Enio Brizola (PT), presidente da Comissão de Competitividade, Economia, Finanças, Orçamento e Planejamento (Cofin) e responsável por promover o encontro, e entregaram um diagnóstico do segmento e uma série de reivindicações da categoria.
Empresários do ramo de casas de festas e eventos pedem apoio do Legislativo

Fotos: Maíra Kiefer/CMNH

O setor está com as atividades suspensas desde o dia 15 de março. Segundo a UCFE, foi o primeiro ramo a parar diante do surto de coronavírus, e deve ser o último a receber autorização para retomar as atividades. Levantamento recente feito pelo grupo indica que há mais de 60 empresas dessa área em Novo Hamburgo, envolvendo as contratações de garçons, copeiros, cozinheiros, fotógrafos, seguranças, entre outros, com renda média de R$ 850 mensais, de acordo com Claudinei Nunes de Almeida, da Inflável Park.

As projeções do grupo, caso a situação se mantenha, são de um cenário desolador. “Se não houver um subsídio para custear nosso setor nesse período de impossibilidade de reabertura, 90% das empresas vão sumir do mercado. Estamos pedindo socorro. Sabemos que há o entendimento de que não somos essenciais. Algumas casas já enfrentam ordem de despejo, além de cobranças judiciais de clientes que cancelaram seus eventos e não aceitam remarcações”, declarou Almeida.  

Emocionado, Serafim Marques, proprietário da Doce Folia, relatou que teve que entregar o prédio de uma de suas três casas de festa por não conseguir pagar o aluguel e não ter alcançado sucesso na renegociação da dívida. De acordo com ele, os recursos que ainda restam estão sendo utilizados para pagar indenizações e devoluções de valores para os clientes que tiveram suas festas canceladas. Os dois empresários informaram que reagendamentos foram feitos, mas com a falta de perspectiva de normalidade as pessoas estão desistindo e pedindo os valores investidos de volta.

Almeida esclareceu que o documento que traziam em mãos não se tratava de um manifesto de reabertura. O estudo traça a situação do segmento, que, conforme estimativa, gera cerca de R$ 1,8 milhão por mês. “Entendemos e apoiamos o Município em priorizar a saúde da nossa população. Infelizmente não é o momento de reabertura para nós”, aponta o texto entregue ao presidente da Câmara. O grupo encaminhou ao poder público os seguintes pleitos: subsídio da Prefeitura de recursos que seriam utilizados para eventos ou de outro fundo (verba livre), com rateio entre as empresas do ramo; apoio institucional do Município junto ao Banrisul, para que o segmento tenha uma linha de crédito especial para superação do impacto da pandemia, com carência e juros baixos; e intermediação da prefeitura junto ao Badesul e BRDE, que estão com linhas de crédito alternativas devido à Covid-19. O grupo esclareceu que precisaria de crédito com carência de no mínimo dois anos e juros de 2,25% ao ano. Eles propuseram ainda como contrapartida ao recurso alcançado pelo Município a promoção de atividades de lazer para as escolas e Centros de Referência de Assistência Social após a pandemia.

Peteffi se mostrou solidário aos apelos e disse que irá reforçar as demandas junto à Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Brizola afirmou que tornaria públicas as reivindicações durante a sessão desta segunda e acrescentou que a Cofin deverá debater a questão. 

Também estiveram presentes Graziela Reinhardt (Giz de Cera), Cristiane Gonçalves (Festança), Carlene Hamerski (Cacá Eventos – Grêmio Atiradores) e Gabriela Steigleder (Play House). Elas não participaram da reunião no gabinete da Presidência devido às restrições de acesso em decorrência dos cuidados para evitar a disseminação do coronavírus.