04/12/2019 - Vereador Nor Boeno participa de reunião com a vereadora Tita e com representantes da Apac

por Tatiane Souza última modificação 04/12/2019 14h42
04/12/2019 - Vereador Nor Boeno participa de reunião com a vereadora Tita e com representantes da Apac

Foto: Patrícia Pedrozo/CMNH

Na manhã desta terça-feira, 3 de dezembro, o vereador Nor Boeno (PT) esteve no gabinete da vereadora Semilda dos Santos, Tita (PP), onde foi realizada uma reunião para tratar de assuntos referentes à instalação de uma Apac (Associação de Assistência e Proteção aos Condenados) em Novo Hamburgo. Na ocasião, além dos parlamentares e sua assessoria, estiveram presentes a presidente da  Associação, Lisandra Müller, a vice-presidente, Nair Braun, a conselheira deliberativa, Aline Fernandes, e o tenente-coronel Marcos Cardoso.

O foco central do encontro foi, conforme constado em ata, discutir a possibilidade de viabilizar junto ao Poder Público um espaço na cidade para ser a sede da Apac e, consequentemente, nesse local, iniciar o projeto. "Uma associação sem espaço para cumprir sua função não serve para nada", destacou Lisandra.

Na oportunidade, o vereador Nor Boeno questionou qual seria o lugar ideal no território hamburguense para que o Método Apac possa ser realizado com êxito. "Precisa ser em uma área urbana, e não em um lugar isolado, rural, como em Lomba Grande, por exemplo -, porque a família precisa estar junto, acompanhando a recuperação do apenado", explicou a presidente, destacando que a participação da família é um dos pilares que faze o método ter um resultado satisfatório.

Ao esclarecer dúvidas, Lisandra deixa claro que o espaço escolhido precisa facilitar essa aproximação. Segundo ela, instalar a Associação em uma área afastada da cidade dificulta o deslocamento de familiares visto que, parte deles, não possuem condições financeiras para custear a locomoção.

Conforme enfatizado pela vereadora Tita, presidente da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Defesa do Consumidor (Codir),  o método prepara o recuperando para o convívio social. "Diante disso, não podemos ser individualistas. Precisamos unir forças e chamar pessoas que desempenham diferentes papéis na sociedade, já que o foco é melhorá-la. E, para isso, precisamos de parcerias e de pessoas que valorizem o ser humano e acreditem na capacidade que um individuo tem de mudar a si e o mundo", destacou a vereadora.

Aproveitando o gancho, o vereador Nor Boeno enfatizou: "Quem ganha com esse trabalho é a comunidade em geral", apontou.

De acordo com a presidente da Apac de Novo Hamburgo, a metodologia é brasileira. "Ela já foi exportada para outros países", informou. "Acredito que o custo baixo, se comparado ao sistema prisional tradicional, e os baixos índices de reincidência já são motivos fortes para fundamentar a necessidade da existência da Apac", argumentou.

Uma reunião, conforme acordado, será organizada. Para participar da discussão da pauta, serão convidados autoridades, sociedade civil e representantes da indústria, comércio e serviços. O intuito do diálogo é  ampliar a rede de apoio, informar e conscientizar sobre o objetivo e a importância do projeto para Novo Hamburgo.

Apac em Novo Hamburgo

A ideia de implementar o Método Apac no território hamburguense, segundo a presidente da Associação, Lisandra Müller, se iniciou em 2018. "Em 2016, assistimos a primeira palestra sobre o assunto em Minas Gerais", conta. "Se alguém tem dúvida se funciona ou não o projeto, precisa ir a uma dessas palestras, em Minas", complementou a vice-presidente Nair Braun. "No ano passado, começamos a pensar na possibilidade de instalar uma aqui", contou.

O método, segundo Lisandra, tem 35 anos de existência no Brasil. "Atualmente, Minas Gerais conta com 50  Apacs", informou. "Depois de Minas, o Rio Grande do Sul é o segundo estado em que está se estudando a execução do projeto", relatou, citando Porto Alegre, onde o método funciona há um ano.  

* Texto de Patrícia Pedrozo, estudante de Jornalismo e assessora voluntária do gabinete do vereador Nor Boeno.

registrado em: