Torcedor anilado que sofreu queda de alambrado aguarda continuidade do tratamento

por Luís Francisco Caselani última modificação 11/12/2018 15h23
11/12/2018 – Em abril de 2017, ao comemorar o gol de empate do Novo Hamburgo na segunda partida da fase semifinal do Campeonato Gaúcho contra o Grêmio, o torcedor Jeferson Kayser subiu no alambrado que separa as arquibancadas do Estádio do Vale e o campo de jogo, mas caiu para frente, despencando de uma altura aproximada de cinco metros. Mais de um ano e meio depois, Jeferson ainda sofre com sequelas do acidente e reclama da falta de atendimento médico nos últimos meses. Acompanhado por seu pai, João Alceu, ele procurou a Comissão de Saúde da Câmara na segunda-feira, 10 de dezembro, em busca de uma solução.
Torcedor anilado que sofreu queda de alambrado aguarda continuidade do tratamento

Fotos: Anderson Huber/CMNH

Jeferson elogiou o atendimento recebido após sua queda, desde o tratamento intensivo até o acompanhamento após a alta hospitalar. Ao chocar o rosto contra o solo, ele sofreu traumatismo craniano e precisou passar por uma cirurgia para retirar parte do crânio em razão de um edema cerebral. O osso permaneceu alojado em seu abdômen até ser recolocado no lugar. Além disso, Jeferson perdeu a visão do olho esquerdo e contabilizou múltiplas lesões ligamentares no joelho direito. Ele afirmou necessitar, especialmente, de atenção neurológica e traumatológica, consultas às quais não tem acesso pela rede municipal de saúde há cerca de seis meses.

Como foi tirado parte do crânio, o osso ainda não se encaixou totalmente, então ainda precisa ser feito um preenchimento. Sinto agulhadas o tempo inteiro. Há zonas do cérebro desprotegidas”, relatou. Seu pai também destacou o bom atendimento recebido no Hospital Municipal, mas questionou o pequeno período de acompanhamento da evolução de Jeferson. “A única coisa que se conseguiu foi a fisioterapia, totalizando 10 horas em sessões”, pontuou. A comissão parlamentar informou que encaminhará ofício à Secretaria de Saúde solicitando o levantamento da situação do paciente. Além disso, os vereadores propuseram uma agenda com a diretora de Saúde, Maristela Saul, no intuito de agilizar o atendimento médico necessário. Jeferson deve acompanhar a reunião. “O problema é que estou parado no tempo. As consequências me travaram. É horrível”, descreveu.

O que são as comissões?

A Câmara conta com oito comissões permanentes, cada uma composta por três vereadores. Essas comissões analisam as proposições que tramitam pelo Legislativo. Também promovem estudos, pesquisas e investigações sobre temas de interesse público. A Lei Orgânica Municipal assegura aos representantes de entidades da sociedade civil o direito de participar das reuniões das comissões da Casa, podendo questionar seus integrantes. A Comissão de Saúde se reúne às segundas-feiras, a partir das 16h30, na sala Sandra Hack, no quarto andar do Palácio 5 de Abril.