Representantes de coletivo de entidades divulgam carta aberta e reivindicam ações de enfrentamento à Covid-19 em NH

por Jaime Freitas última modificação 29/04/2020 17h25
08/04/2020 – No início da tarde desta quarta-feira, 8 de abril, duas cidadãs hamburguenses, Carla Atkinson e Márcia Fernandes, foram recebidas no gabinete da Presidência da Casa Legislativa para entregar uma carta aberta formatada por um coletivo de entidades gaúchas de diferentes segmentos sociais, como associações, federações e sindicatos, que apoia as iniciativas tomadas para a realização do isolamento social recomendado pela Organização Mundial da Saúde – OMS, e pelo Ministério da Saúde do Brasil. Carla e Márcia entregaram ao presidente da Câmara, Gerson Peteffi (MDB), e ao vereador Enio Brizola (PT), que intermediou o encontro, uma série de reivindicações à Prefeitura de Novo Hamburgo frente a pandemia da Covid-19, assinadas por entidades, coletivos e pessoas físicas do município.
Representantes de coletivo de entidades divulgam carta aberta e reivindicam ações de enfrentamento à Covid-19 em NH

Foto: Jaime Freitas/CMNH

Dentre as ações gerais reivindicada pelo grupo municipal, relacionadas ao enfrentamento da pandemia da Covid-19 estão a revogação imediata do Decreto Nº 9.197/2020, de 03 de abril de 2020, e a criação de um Cadastro Emergencial das famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica, além de diversos cuidados específicos para pessoas em grupo de risco, com suspeitas ou confirmação de infecção pelo coronavírus e a suspensão de cobrança de ISSQN para empresas por tempo indeterminado. Confira aqui o documento na íntegra.

Carla Atkinson pediu apoio do Parlamento às demandas do grupo para Novo Hamburgo e fez um alerta sobre a fiscalização do comércio e serviços na cidade. “Desejamos que essas iniciativas sejam mantidas durante o tempo necessário para que sejam salvas o maior número de vidas possíveis. O decreto publicado na semana passada acabou flexibilizando muito as atividades comerciais, mas não há uma fiscalização que dê conta da demanda. É perceptível o aumento de circulação de carros e pessoas na cidade e, com isso, aumentam as chances de contágio pelo coronavírus”, frisou a cidadã.

Márcia Fernandes também demonstrou preocupação com o número de pessoas transitando no Município. “Falta um trabalho de conscientização. Vemos pessoas idosas nas ruas e elas são as principais vítimas dessa doença”, alertou.


Confira aqui a carta aberta das entidades gaúchas.