Procuradoria da Mulher e Comusa podem estabelecer parceria para divulgação de campanha contra violência doméstica

por Maíra Kiefer última modificação 13/07/2018 17h43
13/07/2018 - Com o intuito de ampliar a divulgação e estabelecer uma possível parceria, a procuradora especial da mulher da Câmara Municipal de Novo Hamburgo, a vereadora Patricia Beck (PPS), reuniu-se nesta sexta-feira, 13, com o diretor-geral da Comusa, Márcio Lüders dos Santos, para mostrar o material gráfico da campanha Fale agora ou podem te calar para sempre, lançada no dia 12 de junho. Estavam presentes a servidora, Carolyne Andersson, a diretora administrativa, Elisângela Vieira, ambas do Legislativo. Da Comusa, participaram a diretora administrativa-financeira, Michele Martins, a assessora de expediente, Lidiane Guerra, e o chefe de gabinete, Maurício Alcides Saul.
Procuradoria da Mulher e Comusa podem estabelecer parceria para divulgação de campanha contra violência doméstica

Crédito: Maíra Kiefer/CMNH

Durante o encontro, Patricia falou sobre as atividades de divulgação previstas para os próximos meses. A procuradora informou que está sendo organizado para o mês de agosto um seminário voltado aos agentes da saúde para facilitar a identificação dos sinais de violência doméstica e para promover a orientação de como as vítimas podem buscar auxílio na rede de atendimento. Ela reforçou que esses profissionais têm contato direto com a comunidade e podem ajudar a alterar essa triste realidade.

Márcio elogiou a iniciativa e lembrou a importância de a polícia e o Ministério Público darem prosseguimento às apurações independentemente de eventual e posterior retirada da queixa por parte da vítima. Em 2012, o Supremo Tribunal Federal julgou procedente a ação direta de inconstitucionalidade número 4.424 no sentido de permitir que o Ministério Público possa dar início à ação penal, no âmbito da Lei Maria da Penha, sem a necessidade de representação da vítima, como prevê o Código Penal em casos de lesão corporal.

É um problema mais próximo do que imaginamos”, acrescentou, lembrando que, se existe violência no núcleo familiar, a tendência é que se agrave com o passar do tempo caso nada seja feito.

Ao receber os cartazes, folderes e marca-páginas para serem distribuídos nas dependências da autarquia, o diretor-geral propôs o estudo de uma parceria futura com a Procuradoria para auxiliar a divulgação da campanha no Município. 

Além dos materiais gráficos, a Procuradoria Especial da Mulher criou um site especial para que as vítimas possam encontrar as informações necessárias para realizar suas denúncias, assim como localizar as redes de apoio. Para fazer a denúncia das situações de violência ou de abuso, os telefones são 3594 0560 e 180.