Pesquisa vencedora do Prêmio Cientista Jovem aponta contaminação em águas provenientes de bicas

por Luís Francisco Caselani última modificação 22/02/2019 08h46
19/02/2019 – Com o objetivo de avaliar a qualidade da água retirada de fontes alternativas para consumo, sem rede de tratamento e distribuição, uma dupla de estudantes do curso técnico de Química da Fundação Liberato realizou coletas em sete bicas espalhadas por diferentes bairros de Novo Hamburgo. As análises buscavam identificar quais não registravam presença da bactéria Escherichia coli, característica fundamental para que a água possa ser considerada potável. De acordo com o estudo, vencedor do Prêmio Cientista Jovem de Novo Hamburgo concedido pela Câmara durante a Mostratec do ano passado, apenas uma fonte não apresentou sinais de contaminação. O projeto foi apresentado aos vereadores durante a sessão de segunda-feira, 18 de fevereiro.
Pesquisa vencedora do Prêmio Cientista Jovem aponta contaminação em águas provenientes de bicas

Foto: Jaime Freitas/CMNH

Daniele Ataydes e Jade Gräeff coletaram amostras em seis datas diferentes entre os meses de junho e dezembro de 2018. Foram verificadas bicas nos bairros Guarani, Hamburgo Velho, Lomba Grande, Operário, Rincão, Rondônia e São Jorge. Somente a do bairro São Jorge, localizada na rua Pedro Boll Filho, não apresentou a bactéria em nenhuma das análises. Em contrapartida, nas de Lomba Grande e Rondônia foi identificado alto grau de contaminação. “De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, 80% das doenças que surgem nos países em desenvolvimento têm relação com água contaminada”, destacou Daniele. Estima-se que 815 mil gaúchos consumam água coletada em fontes alternativas.

A pesquisa também identificou variação nas amostras conforme alteração da temperatura ambiente. “Com a elevação da temperatura, há também o aumento dessa contaminação, tornando as bicas mais suscetíveis, durante os períodos mais quentes, à transmissão de doenças. É necessário que haja uma conscientização da população para que todos possam ter acesso a uma água de qualidade”, defendeu Jade.

As alunas participaram da sessão a partir de requerimento verbal do presidente da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, Felipe Kuhn Braun (PDT), que enalteceu a realização de um trabalho que parte do estudo da química, mas abrange também as áreas ambiental e social. “Podemos pensar a colocação de placas nas bicas contaminadas informando sobre a necessidade de ferver a água antes do consumo”, sugeriu. A vereadora Patricia Beck (PPS) elogiou a pesquisa e aconselhou que os resultados sejam levados à Comusa.

Raul Cassel (MDB) lembrou que as bicas têm sua origem em poços artesianos, não passando pelo tratamento da autarquia de água e esgoto do Município. Ainda assim, ele pontuou que talvez coubesse ao Município inibir o uso das fontes contaminadas, após devida análise. Enio Brizola (PT) sugeriu que cópia da fala também fosse encaminhada à equipe de vigilância sanitária da Prefeitura.

Escherichia coli

Parte do grupo coliforme, a bactéria Escherichia coli faz parte do trato intestinal humano e de alguns animais. Sua presença em água e alimentos serve como indicador de contaminação, podendo causar problemas como gastroenterite e infecção urinária. “O fato de ela estar presente pode representar que a água recebeu uma contaminação fecal, o que pode acarretar riscos à saúde da população, especialmente de crianças e idosos”, explicou Daniele. Embora parte das bactérias E. coli não seja nociva, o grupo possui grande potencial patogênico. Alguns dos sintomas apresentados pela contaminação são febre, vômito, dor de cabeça, perda de apetite, diarreia e cansaço.

Cientista Jovem

Daniele e Jade conduziram uma das duas pesquisas hamburguenses agraciadas com o Prêmio Cientista Jovem, concedido pela Câmara durante a 33ª Mostratec, realizada em outubro de 2018. A honraria representa ajuda de custo para garantir a participação das estudantes na feira Milset Brasil, que ocorrerá em maio em Fortaleza. O projeto também foi pauta do programa Vitalidade, da TV Câmara.

Confira mais informações sobre a pesquisa das alunas.

* Informações acrescidas no dia 21 de fevereiro de 2019, às 14h45min.

registrado em: