CVV apresenta trabalho em Novo Hamburgo e destaca a importância da luta contra o suicídio

por Luís Francisco Caselani última modificação 13/09/2021 21h00
13/09/2021 – A última sexta-feira, 10, marcou o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. No Brasil, a data foi estendida para o mês inteiro, com as ações de conscientização do Setembro Amarelo. A convite do vereador Felipe Kuhn Braun (PP), Isaac de Araújo, coordenador do serviço de comunicação da unidade de Novo Hamburgo do Centro de Valorização da Vida (CVV), utilizou a tribuna da Câmara durante a sessão desta segunda-feira, 13. Ele divulgou o trabalho voluntário desenvolvido pela entidade e reiterou a importância do apoio emocional e das campanhas de prevenção.
CVV apresenta trabalho em Novo Hamburgo e destaca a importância da luta contra o suicídio

Foto: Daniele Souza/CMNH

Dados de 2019 da Organização Mundial da Saúde apontam que uma em cada cem mortes em todo o mundo ocorre por suicídio. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria e o Conselho Federal de Medicina, o Brasil registra mais de 13 mil casos por ano. “O suicídio é um problema de saúde pública que mata um brasileiro a cada 45 minutos. Isso é mais do que o HIV e muitos tipos de câncer”, afirmou Araújo.

Atualmente, o CVV conta com mais de 130 postos espalhados por todo o Brasil. O serviço é prestado por cerca de 4 mil voluntários, que realizam 3 milhões de atendimentos por ano. Em Novo Hamburgo, o CVV é mantido pela Sociedade Ame a Vida. “Realizamos nosso trabalho por meio da escuta empática. Ouvimos com os nossos ouvidos e também com o coração. Prestamos serviço voluntário e gratuito para todas as pessoas que querem e precisam conversar sob total sigilo. O voluntário é um facilitador para que a outra pessoa possa se ouvir”, explicou o coordenador.

A unidade hamburguense do CVV foi pioneira, ainda em 2013, na criação do Grupo de Apoio aos Sobreviventes do Suicídio (Gass). A primeira reunião, inclusive, foi sediada no Plenarinho da Câmara. “O Gass é um grupo de apoio que visa à troca de experiências e apoio emocional. Os sobreviventes podem conversar com pessoas que possuem uma experiência similar. Neste ambiente acolhedor, todos se sentem à vontade para contar sua história da maneira que se sentirem melhor”, relatou Araújo. Todos os encontros são confidenciais. “Precisamos quebrar o silêncio que envolve o suicídio e criar recursos vitais para ajudar as pessoas a recuperarem suas vidas após escapar à morte”, prosseguiu o voluntário.

Felipe Kuhn Braun agradeceu a presença do coordenador e elogiou o trabalho desempenhado pelas equipes do CVV. Cristiano Coller (PTB) também parabenizou Araújo e ressaltou a importância da escuta. “Nem sempre é a pessoa que está com baixa autoestima que tira sua vida. O número de suicídios é muito maior do que imaginamos. A melhor solução é realmente conversar”, finalizou o vereador.

Ligue 188

Criada em São Paulo em 1962 como uma associação civil sem fins lucrativos, o CVV presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção ao suicídio, sob total sigilo e anonimato. Desde 2015, a entidade mantém termo de cooperação com o Ministério da Saúde para a implantação de uma linha gratuita nacional: o 188. As conversas também podem ser realizadas por meio do site www.cvv.org.br/quero-conversar. Os atendimentos presenciais estão momentaneamente suspensos devido à pandemia. O CVV está em atividade em Novo Hamburgo desde 2003.

registrado em: