Câmara homenageia cinquentenário do Colégio Sinodal da Paz

por Luís Francisco Caselani última modificação 28/11/2019 20h48
28/11/2019 – Três dias após o Colégio Sinodal completar 50 anos de história, a Câmara de Novo Hamburgo prestou homenagem ao trabalho desenvolvido pelo estabelecimento de ensino em sessão solene na noite desta quinta-feira, 28. Proposta pelo vereador Felipe Kuhn Braun (PDT), a cerimônia realizada no Plenário do Legislativo contou um pouco da trajetória da escola, ligada à comunidade evangélica, salientou a proximidade das famílias ao ambiente de ensino e enalteceu os laços entre a instituição e a cidade.
Câmara homenageia cinquentenário do Colégio Sinodal da Paz

Foto: Tatiane Lopes/CMNH

Pesquisador da chegada dos povos alemães ao Rio Grande do Sul, Felipe ressaltou que a atenção à educação sempre acompanhou a instalação dos grupos germânicos. “A Reforma Protestante teve grande importância para a estruturação da educação, e isso foi trazido para o Brasil pelos imigrantes alemães e está presente no Colégio Sinodal. Este é um espaço educacional muito importante para a cidade, integrado especialmente à zona sul do município e ao bairro Industrial. A referência daquela região é o colégio, é a Comunidade Floresta Imperial. O grande trabalho que é feito merece sempre o nosso reconhecimento”, elogiou o vereador.

Presidente da Associação de Pais e Professores do Sinodal, Rafael Eckhard enfatizou as ligações intrínsecas entre a escola e as famílias. “A manutenção de espírito familiar talvez seja a maior característica do nosso colégio. Os pais percebem a existência de uma grande família e buscam preservá-la constantemente. Muitos podem não conseguir comparecer ao colégio, mas recorrem a recursos tecnológicos para os diálogos com o grupo escolar. Construir uma história dá muito trabalho, ainda mais uma como esta, responsável pela formação de pessoas. É necessário dedicação, empenho e total entrega à causa”, enalteceu.

Diretor-geral da Associação Beneficente Evangélica da Floresta Imperial (Abefi), o pastor Altemir Labes reforçou o discurso de Felipe e acrescentou que, desde a Reforma, a educação sempre esteve muito presente na caminhada dos luteranos. “Em 1524, Lutero escreveu para os conselheiros e prefeitos das cidades alemãs que eles observassem, organizassem e mantivessem escolas. Para Lutero, estava muito claro que a educação era uma tarefa prioritária, intimamente ligada ao nosso ser. Junto às comunidades luteranas no Brasil, foram construídas escolas. Muitos templos serviram como espaços educacionais, e muitos pastores foram também professores. A fé e a educação sempre andaram lado a lado. Mantemos nosso compromisso com uma educação de qualidade centrada em valores éticos”, afirmou o pastor.

A diretora do Sinodal, Juliane Zimmermann, recebeu das mãos de Felipe um quadro comemorativo ao cinquentenário da escola e retribui com a entrega de um troféu ao Legislativo. “Este ano lançamos novo logo e conceito: ‘saber para compreender’. Cada momento foi planejado com muito carinho e dedicação para expressarmos a gratidão pela caminhada desta instituição, que abriga hoje 600 estudantes. Muito nos orgulha saber que nosso compromisso com a educação contribui significativamente para a sociedade”, frisou a diretora. Ao final da solenidade, dois corais e um grupo instrumental, conjuntos compostos por alunos do Sinodal da Paz, abrilhantaram a noite com apresentações musicais.

50 anos do Sinodal

O nascimento do Sinodal está atrelado ao intuito da Comunidade Evangélica da Paz em oferecer a crianças, jovens e adultos um ensino de qualidade e um local para a prática de atividades cristãs. Ainda sob o nome de Escola Evangélica da Paz, a instituição iniciou seu trabalho em 1969 com a instalação de turmas de educação infantil nas dependências do antigo prédio da Comunidade Evangélica Floresta Imperial. O objetivo na época era oportunizar acesso escolar a crianças do bairro Industrial e arredores que não conseguiam colocação nos educandários existentes. Junto à criação da educação infantil, também foi aberta classe para atender crianças com deficiência. Durante um período, a escola também contou com aulas de alfabetização para adultos, artesanato e cursos profissionalizantes.

Ainda nos primeiros anos, a oferta de turmas ampliou. Em 1975, a escola já abria matrículas também para todas as séries do ensino fundamental. Gradativamente, o número de alunos aumentou, forçando a mudança para um novo prédio. Hoje, o Colégio Sinodal da Paz – nome adotado desde 1998, quando implantado o ensino médio – estabeleceu-se na avenida Pedro Adams Filho, 1974.

registrado em: