Navegação
Educação
escola
Notícias
Quais são seus canais preferidos para conhecer as atividades parlamentares? Você pode escolher no máximo três opções.







Votos: 191 Resultado
Mais enquetes
 
Você está aqui: Página Inicial Notícias Revezamento na Guarda passa em segunda votação
Ações do documento

Revezamento na Guarda passa em segunda votação

29/07/2004 - Assim como na sessão anterior, substitutivo de autoria do Executivo e emenda assinada por todos os vereadores foi aprovada por unanimidade

Foi aprovado hoje, em segunda votação, o substitutivo ao projeto-de-lei de autoria do Executivo que institui um regime de revezamento na Guarda Municipal.

 

A emenda assinada por todos os parlamentares, que altera o texto original possibilitando modificações apresentadas pela própria corporação, também foi aprovada em segundo turno.

 

A proposta do Executivo que altera a data de vigência da Lei Municipal que modifica itens do Plano de Classificação de Cargos e Funções no Serviço Público também passou em segunda votação..

 

Com isso, a Lei passa a vigorar a partir da data de sua publicação (26 de maio de 2004), e não a partir de janeiro de 2004.

 

Outra proposta, do parlamentar Ricardo Ritter (PDT), que denomina de Rua José Antônio Reichert uma via pública no bairro Rondônia, também foi aprovada em segunda votação.

 

 

TRIBUNA - O secretário de Saúde do Estado, Osmar Terra, utilizou a Tribuna Popular para prestar esclarecimentos sobre o projeto Salvar, programa do Governo do Estado para ampliar o atendimento nas áreas de urgência e emergência na Região Metropolitana. O convite foi feito pelo vereador Raul Cassel (PMDB).

 

Conforme o secretário, o programa funcionará a partir de agosto como um sistema articulado de comunicação entre dez hospitais de dez cidades da Região Metropolitana, englobando 35 cidades desse território.

 

Uma central, em Porto Alegre, direcionará os atendimentos a partir de uma ligação telefônica para o número 192 (emergência). O serviço contará com 60 ambulâncias (20 delas de grande porte), dez UTIs móveis e dez veículos rápidos, todos baseados nas cidades que participarem do programa.

 

A maior parte dos custos (75%), serão bancados pelo Governo do Estado. O custo para Novo Hamburgo está orçado em cerca de R$ 113 mil, informou o secretário.

 

Ao participar do projeto, cada cidade terá que se comprometer a promover ampliação do atendimento em urgência e emergência. --O programa só vai funcionar bem se os hospitais ampliarem seu atendimento, não só em número, mas em tipo de atendimento-, destacou.

 

Segundo o secretário, nove municípios - dos dez que formarão a base de atendimento - já aderiram ao sistema. A adesão de Novo Hamburgo depende de uma reunião preliminar do secretário com o prefeito José Aírton dos Santos, prevista para ser realizada ainda hoje.

 

 

 


Banners Banners